quinta-feira, maio 18, 2006

O Meu Sorriso

Ontem,
Ao sair de casa,
Fui atingido,
De forma “violenta”,
Por um raio de sol.

Olhando o céu,
Vislumbrei um pedaço,
De um azul límpido,
Levemente polvilhado
Por uns bocados de nuvens,
Imaculadamente brancas,
Formando,
No seu conjunto,
Uma imagem idílica,
Que por ser tão perfeita,
Logo me provocou uma paz de espírito,
E conseguiu,
Por si só,
Que se me formasse
Um sorriso nos lábios.

No entanto,
Virando em direcção contrária,
Pude ver umas nuvens negras,
As quais,
Com a sua cor cinza escura,
Tapavam o céu azul
Que para trás ficara.

Mas eu sabia
Que por cima delas,
Estava um céu azul, lindo,
Que embora eu não o visse,
Estava lá,
E o sorriso manteve-se!

No progresso do meu caminho,
Entrei numa estrada ladeada por árvores,
E então,
Deixei de ver o céu por completo.
Para além do cume daquelas árvores,
Eu não conseguia ver o céu,
Não sabia se as nuvens negras
Também ali pairavam,
Mas sabia,
Que lá no cimo,
Bem lá no cimo,
Estava um céu azul, lindo,
Que embora eu não o visse,
Estava lá,
E o sorriso manteve-se!

Percorridos mais uns kilómetros,
Passei por cima de uma ponte,
Sobre um rio.
Olhando-o,
Pude ver o seu correr,
Em direcção ao mar.
Não sei se a corrente era forte,
Não sei se a água estava límpida,
Não sei se a água estava fria,
Mas sei,
Que corria para o mar,
Que no infinito,
Se fundia com um céu,
Que,
Não importa como as nuvens estivessem,
Não importa como elas colorissem a água,
Desse mar e desse rio,
Por cima delas,
Estava um céu azul, lindo,
Que embora eu não o visse,
Estava lá,
E o sorriso manteve-se!

E a memória daquele céu,
Ficou-me gravada na memória,
E ao longo do dia,
De cada vez que dele me lembrava,
Não conseguia deixar de,
Sentir aquela paz de espírito,
Não conseguia deixar de,
Esboçar aquele sorriso,
E assim,
Apesar de não o ver,
Eu sempre soube,
Que bem lá no cimo,
Estava um céu azul, lindo,
Que embora eu não o visse,
Estava lá,
E o sorriso manteve-se!

E o meu dia foi assim,
Por entre trabalho,
Conversas,
Reuniões,
Telefonemas,
Lá me fugia o pensamento
Para a lembrança
Daquele céu,
Azul,
Lindo,
E o meu sorriso,
Devido a isso,
Não esmoreceu!

3 comentários:

Kitty disse...

Ainda bem que ao longo da nossa vida, do nosso dia-a-dia, temos sempre razões para manter um sorriso. Para além de fazer bem à pele, também nos alegra a alma.

Sorrir é bom.

Keep your smile

Anónimo disse...

Como entendo ,esta fixação no céu azul,para manter o mesmo sorriso!Também eu tenho necessidade de me apaixonar a cada dia,por um amor que não existe.Por me sentir mãe de forma diferente.Por ser sol,para quem rodeio.Cabe a cada um deinir um ponto, e sorrir!Pois o sorriso fará de cortinas cinzentas da alma,o mais límpido céu azul.Parabéns ao autor.Adorei

papoila disse...

é isso tudo, flor!!! parabéns ao autor.