quarta-feira, maio 31, 2006

Se eu mandasse...

Porque acho que este "texto" não deve ficar "perdido" no meio de comentários, aqui fica, da nossa amiga "Flôr"

Se eu mandasse neste dia,
O sol não se deitaria.
Porque a seguir ao dia,outro viria!
E os encantos da lua...
Faria-os eu, sendo Tua!
Numa dança de Amor,
Antes deste sol se pôr!

"Flôr" 2006-05-31

21 comentários:

Flôr disse...

Brain,
Meus olhos "transpiram" de alegria.Obrigada.

Brain disse...

:)

papoila disse...

muito bem flor!!!!

chuaaacc

Putty Cat disse...

Estás a ver Flor,

"As palavras são pedras. O que nelas vive é o espirito que por elas passa."

E o teu, espero que continue a fluir, por entre as pedras.
Um dia, quem sabe, atinges as estrelas.

Beijo,

PCat

Flôr disse...

Bom dia,Brain,Putty Cat e Papoila.
Hoje gostaria de correr pelos campos a apanhar as boroboletas que outrora me faziam voar.
Hoje,queria sentar-me no paúl e rolar.
Queria apanhar joaninhas,saltar à corda.
Cantar,e sorrir...
Hoje,seria suficiente eu ser uma criança...
Mas essa que existe em mim,que corre e é traquina;é agora uma menina presa pelas "normas" da mulher crescida.
Hoje,queria apenas,ser um dia mais uma CRIANÇA!

papoila disse...

Flor, hoje és a segunda pessoa que eu conheço que me diz que gostava de ser criança de novo.

Se a cada um de nós, por breves momentos, nos fosse dada a possibilidade de tirar umas férias cerebrais (não umas férias totais, deixariamos em casa, trancada a sete chaves, a parte do cerebro que nos faz lembrar os problemas), eu seria a primeira a "tirar" uma férias dessas... É esgotante crescer-mos com o mundo às nossas costas, não é?...

Como tenho duas crianças em casa e como sei que é impossivel voltarmos a ser criança após crescermos (este voltar a ser criança é ter paz por uns tempos,e brincar sem preocupações, etc, etc) e como sei que, quando forem grandes, elas também vão sentir esta necessidade, comprometo-me desde já a arranjar uma solução, que poderá pecar por não as satisfazer completamente mas que sei que as irá ajudar.

Esta solução parece ser muito simples:
como para mim elas vão ser sempre os meus bebés, comprometo-me perante vós a lembra-me todos os dias que elas serão as minhas crianças e a dar-lhes todo o meu colo, carinhos, festinhas no cabelo, abraços, amor incondicional, a não fazer perguntas, a aceita-las sempre que elas vierem procurar o meu colo.

Colo de mãe é a solução que poderei arranjar para as minhas meninas. Colo fisico e emocional.
Solução que parece tão facil mas que muitos de nós infelizmente não tem...

papoila disse...

Quero só esclacer que quando digo "colo" é pura e simplesmente "colo". Aquele "colo" tão bom que damos aos nosso pequenitos, cheio de carinho, a transbordar de amor, sem palavras, sem perguntas, a transmitir segurança, protecção... Apenas "colo"...
Parece tão simples....

Brain disse...

Papoila,

De certeza que as tuas "meninas" sabem bem o sabor e o significado desse colo.

Parabéns pela mãe que demonstras, nestas tuas palavras ser.

Beijo.

PS: Tens um comentário para ti, de hoje no post "Á espera de ti...". Gostava que o visses.

papoila disse...

obrigada. por vezes a insegurança, em relação a elas, é muita...

vou ver teu comentário.

****

papoila disse...

:)))))
já li.

nunca tive duvidas disso.
*****

Flôr disse...

Querida Papoila,
Tu e as tuas ninas...
Sei ,o que dizes e como o sentes.
Nina,dá o teu melhor e transmite tudo que se possa passar.
Devemos estabelecer um elo de muita amizade e confiança com os nossos rebentos.
Mas,devo dizer-te,que deves também não esquecer ,que não se vive a vida deles,apenas se ensina a fazê-lo.
"Pegadas na areia",é uma boa comparação para o teu colo...e tua protecção.
Penso ter já dito isto em conversa.
Queria ser capaz de passar as piratitas o mimo que a mami me deu.
Mimo bom,de coração...que hoje após quedas e desencontros,faz de mim uma mulher doce.
obrigada Mãe!

papoila disse...

flor: ninguém falou em viver a vida delas.

Flôr disse...

Claro que não!
Mas a nossa protecção,os olhos de ver sempres os nossos "bébes",os nossos meninos.As dores que sentimos quando eles se magoam,fazem-nos muitas vezes não criar o espaço certo.O que a dita relação Mãe-Filho.O apetecer sempre esse colo,reconfortante,onde todas as tempestades acabem.
Eu propria(tu conhecedora da minha relação),queria quantas vezes,ter o colo da mami quando chego a casa.
E quando a vejo,abraçar-me sem nada dizer,retira todas as diferenças que tanto nos afastam por vezes.
Existe uma certa dificuldade de "largar" a mão ,para eles andarem só.
Não queremos a vida deles...mas que estejam bem.E associamos sempre a nossa figura à protecção necessária.
Talvez,porque no meu coração de mãe,permito a dor do pensamento de uma opção de algum me deixar.
Talvez por isso te fale assim.Será que me entendes?

Brain disse...

Meninas,

Vou-vos confidenciar aqui uma coisa:
O que sempre me intrigou no meu pai (figura mais "predominante" na minha relação pais/filho) foi o apoio INCONDICIONAL.

Muitas das vezes sem perguntar o porquê, "contentando-se" apenas com o "o quê".

A isto, eu penso que posso em abono da verdade denominar de um "verdadeiro porto de abrigo".

E penso que isto foi muito importante no meu crescimento. Eu sabia, que acontecesse o que acontecesse, tinha ali o meu apoio.

E sabem que mais? Isso, apenas isso, bastou-me! Penso que apenas recorri a ele uma vez, porque das outras, só o facto de saber que ele existia, bastou!

E hoje, quando olho para trás, e como pai analiso aquilo que o meu foi para mim e o relacionamento que ele teve comigo (aparte o carinho que ele sempre me deu) penso que este foi o facto mais marcante, mais importante para mim e contribuiu de forma definitiva para a construção da minha auto-confiança.

Porque para o dia mundial da criança o pai também tem a sua quota-parte de "participação", um abraço muito sentido ao meu pai em especial e a todos os outros, que sabem sê-lo.

Flôr disse...

Olha Papoila,dizes tu no outro post..."querem que chorem?"
Saí para almoçar,de lágrima no olho.Entrei e vim aqui,e chorei com as palavras da mulher do Brian.
E estou particularmente sensível.
Pai,Mãe,filhos.
Peguem nos arcos meninos!E vós ninas,com tranças longas e laços,venham brincar.
Basta apenas, estas tranças e laçarotes,para voar ao mais alto.
Pois essas pintas dão tal leveza que mais parecem borboletas.

papoila disse...

flor fico contente por ti, por recebes esse abraço, mesmo que silencioso (mas em si mesmo completo) da tua mamy. eu sinto falta disso. sinto falta de algo que eu não me lembro da última vez que o senti. (se calhar estou a ser muito injusta) mas sinceramente não me lembro.

flor: quanto à opção que um dia os teus meninos poderão fazer, acho que deves pensar pelo lado "positivo" (se existe um lado positivo nesta coisas...). poderá servir para sentirem o que é verdadeiramente importante na vida e acabarem por voltar ao colo da mãe...

brain: muito parabens ao teu pai por esse "simples" "o quê". o saber-se que temos alguem a quem recorrer se um dia for preciso é das coisas mais importantes que poderemos ter.

Flôr disse...

Amiga,
Quebra tu essa "barreira"!
Temos trocado ideias,temos visto várias coisas.A minha envolvente "mami",é muito diferente da tua.
Não sei se por ela,se também por mim.Nina,tu és uma pessoa distante.Se quando não se insiste,és ausente.Eu conheço a Papoila de ontem,não a de anteontem!E esta,vive numa concha!
Vê-se,pela forma como te regala fazer bem aos outros,pela alegria que os outros te levam como agradecimento.
Muito diria,mas falar de ti,fica para um chá de amigas.
Tens tanto rapariga!Mas necessitas que te confirmem esse potêncial!
Podes ter a certeza,és um excelente Nina.

Brain disse...

papoila,

Penso que não estarei a cometer nenhuma inconfidência ao dizer-te isto: "A tua mãe, tambem não tem tido propriamente uma vida fácil, pois não?"

Neste momento, penso até que ela tem sido um "suporte" importante para ti, certo?

Quando foi a última vez QUE TU, lhe deste esse abraço?

Um "abraço", pode ocorrer de diversas formas, nós até podemos saber que podemos dispôr dele quando quisermos, mas TÊ-LO FISICAMENTE, isso.... é outra coisa!

Eu faço questão de abraçar todos os dias as minhas queridas. Faço-o logo pela manhã. É uma óptima maneira de começar o dia.

Lanço-te um desafio: Se calhar, hoje vais estar com a tua mãe.
Quando a vires, dá-lhe TU esse abraço que gostarias de receber dela.
Não é preciso "introdução" antes, nem explicações depois.
Fá-lo apenas. Fá-lo pelo prazer de o fazer, fá-lo pelo prazer de receberes de volta o mesmo.
E mesmo que o que recebas não seja com a mesma intensidade com que o fizeste, ficas com a satisfação de tu o teres feito.

E acredita, que isso... pode fazer a diferença!

Beijo para ti.
Não me canso de te dizer, que gosto de te ter por cá.

papoila disse...

pronto!!!! desta vez conseguiram!!!
estão contentes?!!!

:))))

obrigada

***** me vou...

Flôr disse...

Reafirmando...
Sabes que durante o tempo de casada,e sempre que estava com o meu "companheiro",nunca me detei sem lhe dar um beijo.
E este gesto,tirei-o do meu Pai.Sempre que chegava do trabalho,dava um beijo à minha mãe e depois às filhas.Assim tentei,manter um elo.
Um beijo,retirava o "azedo" das questões para nos embalar no sono merecido.
Coisas...Hoje lembravas,e coisas que quero manter.

Brain disse...

Pois é flôr,

É isso mesmo.
Eu também faço o mesmo.

"Coisas simples" mas que valem tanto...