segunda-feira, julho 10, 2006

Passeio

Passeio pela minha vida,
Com vista sobre mim mesmo,
Tentando-me ver,
Como que através de um prisma,
Que separe,
Não as diferentes cores de uma luz
Que sobre mim incida,
Mas que sim,
As diferentes partes do meu ser,
Do meu pensar,
Do meu agir,
Do meu estar.

E com isto,
Tento com o mínimo de ruído possível,
Vislumbrar os porquês de mim,
Captar a essência do meu ser,
Que dão corpo e vida,
A este que sou eu,
Que passeia,
Assim,
Pela vida.

Nos caminhos da minha vida,
Já me deparei com diversos buracos,
Que não estando sinalizados,
Neles caí completamente desamparado,
Sendo que,
Uma vez lá em baixo,
Bem em baixo,
Tão em baixo,
As barreiras que se erguiam sobre mim,
Eram demasiado altas para as minhas capacidades,
Eram demasiado altas para as minhas forças.

Então,
Tive que desenvolver características
E habilidades,
Para que,
No imediato,
Fosse capaz de as transpor,
E num futuro,
Fosse capaz de,
Identificar os buracos desta vida,
Por forma a,
Se não conseguir evitar cair neles,
Pelo menos,
Não o fizesse de forma tão desamparada.

E então,
Descobri,
Que por vezes,
O que importa,
Não é o tamanho da queda,
Mas como se cai,
E principalmente,
De onde se cai.

A origem da queda,
Muitas vezes é tudo!
Sendo que esse tudo,
Pode tornar a queda,
A mesma queda,
Mais ou menos prolongada,
Mais ou menos penosa,
Mais ou menos grave.

Tenho para mim,
Que as quedas,
São como que um processo evolutivo,
Que nos dá ensinamentos de vida,
E que no fundo,
Proporciona-nos,
Por vezes durante o acto da queda em si mesma,
As ferramentas necessárias,
Para a recuperação,
Quer dessa,
Quer de outras quedas futuras.

E então,
Como que descobri,
Que o importante por vezes,
Não será tanto o evitar a queda,
Mas sim,
Saber cair,
Saber levantar,
E sobretudo,
Saber continuar,
Mesmo sabendo,
Que outras quedas virão,
Que outras nódoas negras surgirão,
Mas que nós,
Estaremos prontos para as enfrentar,
Com a consciência de que,
Estaremos sempre a deparar-nos,
Com novos tipos de capacidades,
Necessárias desenvolver,
A par com a convicção de,
Com as “ferramentas” certas,
Sermos capazes de as desenvolver,
E mantê-las em nós,
Guardadas na nossa “mala”,
Para quando delas voltarmos a precisar.

Hoje,
Continuo a passear pela vida,

Mas hoje,
Principalmente a partir de hoje,

Sem medo de,
Voltar a cair!

5 comentários:

Flôr disse...

Bom dia.
Tudo começa com a "queda"!Quem não tem tantas quedas e fotos com negras,dos primeiros passos?Essa mudança de forma,passando do colo e da alcofa,para a posição vertical e ter de se mover por si.
A posição o "só -só",o aliciar para dar uns passitos e atingir o objectivo.A conquista do equilibrio e da mobilidade.Pois,a fase seguinte ao berço,foi ela a introdução deste "Passeio".
Certo que de forma inconsciente,mas os primeiros passos,são a abertura de porta para toda a caminhada.
E por aí fora,quedas!
Porém,estas serão as marquitas que um medicamento cura,um beijo da mão atenua a dor.O medo ,não se instala e os "perigos" são desafios.
Mas,noutra fase,na idade adulta...
Qual obra do metro!Buracos,tudo revirado...Assim, é por vezes o caminho deste passeio.
E que faço?Paro,fico a ver?
Não.Tomo alguma consciencia do "piso" e sigo;mas com a certeza que a "queda" pode surgir.
E apenas num escorregão,posso provocar marcas profundas.
Por vezes achamos impossivel,recuperar deste ou daquele ferimento...não...
A natureza é de tal forma perfeita,que tudo renasce...
O espirito,embora mais "teimoso",também!
E toda a dor ,podendo não passar diluí.
Da mesma forma que para todo o mal há cura;também:"Quando Deus fecha uma porta,abre logo uma janela".
Bom passeio,e apenas um pouco de atenção fará toda a diferença.
Entre passeio,e viagem;espero que estes amigos voltem.E que as paragens fortaleçam.E que de alguma forma,todos tenhamos contribuido para as mudanças.

divina disse...

Bom dia,

Por vezes no passeio da vida somos "rasteirados" de uma forma que não conseguimos manter o equilibrio, principalmente quando somos apanhados de supresa.
Mas, é com as quedas que descobrimos que temos força e capacidade para ultrapassar obstculos e medos.
Bom, é que há sempre uma mão Amiga que nos ajuda a levantar.
Um dia também quero passear pela vida sem medos!!

Brain disse...

Bom dia!

Flôr,
"Passeio", narra precisamente a forma do ir e do já presente voltar.
"Passeio2, marca, pela minha parte, "a volta".
E que bom, que é!
Sabe-me bem estar de volta.

Olá Divina,
Não esperes viajar pela vida sem medos. Aspira é reverter esses mesmos medos a teu favor.
Já agora, dá uma vista de olhos ao meu post "Medos e vontades" de 26/Abr.

Anónimo disse...

Olá Brian,

É isso mesmo, espero que um dia predominem as decisões e as vontades e não os medos!

bjs

Flôr disse...

OLá,parece que o espaço está livre!
Onde estãrão todos?
Vou falando,alguém virá por certo.
Como é bom,ter um amigo que aparece num meio de semana.
Horas contadas,contratempos,mas estamos ali.
O sorriso do cumprimento,a alegria que se expressa naturalmente.
Fala-se um pouco,do tempo,das férias,da vida,de nós!
E ali,estão dois seres que um dia por acaso entraram nas caixitas quadradas das secretárias,se conheceram,e agoea gostam da partilha duma amizade.
Que bom,que tenho dias de "nada" com marcas de "tudo".
Num dia,esse amigo!Noutro,tu,vocês.
Que bom,cheguem e fiquem,neste meio de semana,neste meio de dia.
Bj para todos.