sexta-feira, março 16, 2007

Pudera eu ser...

Pudera eu ser neblina,
Envolver-te por completo,
Ser respirado por ti,
E assim,
Ver o mundo através dos teus olhos,
Pensar os teus pensamentos,
Sentir os teus sentimentos,
Viver os teus medos e angústias.

Pudera eu ser brisa,
A brisa que te trespassa,
A brisa que te arrepia,
E te leva a abraçares-te,
Abraçando-me assim também,
Sentindo eu o teu calor.

Pudera eu ser um raio de sol,
Que te aquecesse o corpo,
O coração e a alma,
Que te reconfortasse,
E te iluminasse os caminhos.

Pudera eu ser luar,
Que rasgasse a noite,
E chegasse até ti,
Como luz calma e fria,
Que te proporcionasse,
Algum conforto e alegria.

Pudera eu ser chuva,
Que te molhasse,
Que te percorresse o corpo,
Que te lavasse da pele e do espírito,
Todas as impurezas que te povoam.

Pudera eu ser remédio,
Que injectado no teu corpo,
Perseguisse e anulasse,
Com acervo e eficácia,
A origem das tuas enfermidades.

Pudera eu ser tudo isto,
Pudera eu ser alguma destas coisas,
Pudera eu ser…
Mas não posso.

Por isso,
Limito-me a ser este,
Que se interessa,
Que atenta,
Que olha,
Que fala,
Que no fundo,
Tenta conseguir obter algo mais,
Para além daquilo que se vê,
Para com isso,
Tentar igualmente,
Conseguir algo mais,
No reino daquilo que não se vê.

Pudera eu ser…

11 comentários:

Wife disse...

Pudera eu ser para ti, tudo o que Tu és para mim. Aí sim eu seria a mulher mais feliz do mundo.

Excelente post.

Beijos
TUA

JOCARES disse...

Pudera eu... ser um espírito livre para escolher por mim próprio que invólucro de carne e de sangue, me agradasse usar.

Seria um cão, um macaco, um urso ou qualquer outra coisa que não fosse esse animal vaidoso (Homem) que tanto orgulho tem em ser racional. Os sentidos são demasiado grosseiros e um sexto irá inventar para contradizer os outros cinco;
Em vez de preferir o instinto certo, irá preferir a razão, que erra uma em cada cinquenta vezes.

Pudera eu... em ser o que SOU.

Um Abraço e parabéns pelo post

jocares

coisas que se pensam disse...

Estes teus magníficos textos têm-me trazido à memória coisas lidas há já bastante tempo e que são absolutamente extraordinárias e, uma vez mais, do Alberto Caeiro.
Mesmo podendo ser intrusiva e chata com estas, aqui vai mais um delicioso texto dele… coisas que apetece partilhar


Quem me dera que eu fosse o pó da estrada
E que os pés dos pobres me estivessem pisando...

Quem me dera que eu fosse os rios que correm
E que as lavadeiras estivessem à minha beira...

Quem me dera que eu fosse os choupos à margem do rio
E tivesse só o céu por cima e a água por baixo. . .

Quem me dera que eu fosse o burro do moleiro
E que ele me batesse e me estimasse...

Antes isso que ser o que atravessa a vida
Olhando para trás de si e tendo pena ...


(...ok! Prometo. É o último)

Brain disse...

coisas que se pensam: Não prometas isso! Já te disse que o FP (e seus heterónimos) são muito bem vindos por estes lados.

Cada texto dele que deixas por cá, é um presente embrulhado nos teus comentários.

Por favor, continua que nós gostamos.

Tem um bom Fim de Semana.

divina disse...

Pudera eu ser...
Se todos fossemos mais atentos, mais preocupados, mais interessados, mais dedicados ao próximo, o mundo seria melhor!
Gostei muito, "pudera eu ser..."

Branca disse...

Nós somos aquilo que queremos, basta acreditar que o conseguimos e lutar por isso...
Claro, no sentido figurado...
Não estou a ver maneira de me transformar num rio como nós o conhecemos, mas acredito que podemos ser como um rio: um ser que flúi continuamente, nos purifica com sua água, nos relaxa com sua imensidão...
Pois, o nosso espírito é livre mas o corpo não...

Beijinhos e bom fim-de-semana...

Brain disse...

Branca: Gostei de te ver por cá, a tua presença foi sentida.
Volta sempre, comenta quando te apetecer.

Beijo.

Som do Silêncio disse...

Olá...

Este teu post tocou-me mesmo...
Lindo demais!

Beijo Silencioso

ma grande folle de soeur disse...

Pudera eu ser... na essência... outro ser... mas não um ser qualquer! Quem quer ser outro ser que não o ser que nos dá ganas de deixar de ser o nosso ser?! Tb eu já tive o tremendo desejo de colocar um zip em alguém para poder entrar e jamais saír!
Um abraço. Lu

Andarilhus disse...

Antes de mais: Magnífico!... e o comentário singelo e (mais do que) suficiente da WIFE... no mesmo tom de letra!
Eu diria apenas que, pudéramos nós ser na prática aquilo que idealizamos e seríamos todos o vértice da felicidade, a nossa e a dos outros. Pudéramos nós ser os zeladores a tempo inteiro, detentores de todos os atributos, daqueles que tão bem queremos, e não tomaríamos os votos de qualquer outra profissão…
Abraço, Brain…
“(º0º)”

Brain disse...

Divina e Andarilhus: A continuidade da presença, são recompensa para os escritos.
Obrigado a ambos.

Som do Silêncio e Ma Grande Folle de Soeur:
Honrado pela vossa presença, lisonjeado pelos vossos comentários, que mais vos posso dizer?
Apareçam sempre, comentem quando vos apeteça.
Beijo a ambas.