quarta-feira, abril 18, 2007

Limite


Não poucas vezes me pergunto:
Qual será o meu limite?

A tudo,
Se atribui um limite.
Qual será o meu?

Como me será possível reconhecer,
Que o atingi/ultrapassei?

Sempre exijo mais e mais de mim próprio.
Esta é no fundo a minha forma de estar.
Quando penso que atingi algo,
Logo no instante seguinte,
Penso que poderia ir mais além,
Que poderia fazer melhor.
Que deveria fazer melhor.

Então,
Quando atingirei o meu Limite?
E,
Será que o saberei reconhecer?

Vi uma “reflexão” que questionava:
Quando é demasiado?
Quando é demasiada a dedicação?
Quando é demasiada a atenção?
Quando é demasiada a obrigação?
Quando é demasiado o amor?

E esta interrogação vem um pouco
Ao encontro “de mim”…

Quais são os meus limites?
Quais são os meus VERDADEIROS limites?

E ao pensar nisto,
Dou por mim,
A viver uma atitude diferente.

Muitas das vezes,
Não me interessam tanto quais são os limites,
Mas porque o são(?)
Porque é que o limite,
Há-de ser aquele?
E não raras as vezes,
Ultrapasso-os propositada e deliberadamente.

E então,
Surge o eterno questionar do porquê!
Porquê que é assim?

E só porque está convencionado
Que algo é de determinada forma,
Estará correcto?
E mais do que isso,
Estará correcto que assim seja?

Talvez por isso,
Não poucas vezes,
Ou melhor,
Muitas vezes,
Ou melhor ainda,
A maior parte das vezes,
Os meus limites,
São apenas aqueles,
Que são determinados por mim,
Como algo que supostamente,
Não conseguirei atingir.

E esses,
Eu sei à partida,
Que foram definidos,
Apenas,
Para serem ultrapassados!

SUPEREM-SE!

23 comentários:

impulsos disse...

E no limite...
Talvez mudar de linha...
Recomeçar de um outro ponto de partida...
Desafiar de novo o limite!

Obrigada pelo carinho...
Espero estar à altura das promessas...
Irei retribuir de certeza!

Beijo

Moura ao Luar disse...

Os meus limites não são sempre iguais :-)

Azul disse...

Olá Brain!

Por agora, digo-te apenas que é por posts como este que te deixo o "Thinking Blogger Award" que um amigo me atribuiu. E que, com muito gosto, te atribuo a ti também.

Um beijinho
Azul

Passo depois com mais calma para comentar...

Jose disse...

Meu caro amigo.
Limites nunca conheço os nossos limites, esta é a grande verdade.
Tem muito haver com momemnto em que acontence certas situações em que provoca o ir além de nós próprios.
Meu amigo eu digo não conheço os meus limites.

Um texto que talvez tinhamos conversa para imensos dias eu levo as cervejas.

Um abraço


José

as velas ardem ate ao fim disse...

Todos os dias...sem limite..

AS vezes muito cansada...mas cair nunca!

bjinhos

(toma lá um bocadito da minha loucura)

Twlwyth disse...

A cada passo me ultrapasso e me surpreendo. :)

Putty Cat disse...

O nosso limite, caros amigos, é a morte.
Até ela chegar, é possível fazer de tudo.
Basta apenas, pegar numa tesoura mágica e cortar essa linha persistente que nos persegue sempre, todos os dias, todos os momentos.

O medo.

Quando morreres, vais ter medo?
Então, vamos levar essa vitória pessoal connosco.

Olhem, deu-me para isto, hoje!

Brain, que mania q tu tens de me abrires a pestana!

Beijo

ddqplnsf disse...

Bom dia,
Muita gente nova e os "veteranos " a passarem outras fases.
Quanto a limites!
Desafio-me também a mim,de qual o limite, e cada passa dado,um nova implica.
O limite talvez não se atinja,porque a subida de patamar,da aso a mais e mais.É natureza que por vezes até é contra nós,falta de limite e constante insatisfação.O"limite",em objectivo e garra,desde que relativizado é a nossa energia,o nosso avanço.
Não saindo da temática,pena é quando atingimos o limite pela negativa,quando o "saco enche","quando é a gota de água ".Nesse casa se não temos cuidado,estamos tão esmagados que o limite é o ponto em que nos encontramos.Brain,estarei novamente naquela fase confusa da mistura,mas tu deves continuar a compreender.Não tens limite :)) bj.Bj à wife ,semente e florzita.

Brain disse...

Impulsos,
Sem dúvida os teus escritos prometem.
Espero vê-los por muito tempo.

Moura ao luar,
Ainda bem que não...

Azul,
"Thinking Blogger Award" ?!?!?!?
Bem... nem sei que te diga...
Sinto-me honrado com esta tua atribuição.
Obrigado.

José,
Conversas por dias... cervejas...
Eu levo os tremoços e os amendoins.
:)

Velas,
Sempre fiel no acompanhamento.
Obrigado por esse teu pedacinho!

Twlwyth,
Essa é a atitude que eu GOSTO!

Putty,
"Abrir a pestana..."
É uma mania. Não ligues!

Flor,
Sim, continuo a perceber!
(até percebi que eras tu! :)

Beijo a todas,
e a ti Jose,
Aquele abraço.

Entre linhas... disse...

Os limites dependem da interpretação de cada um e da linha direccional...da vida.

Bjs Zita

DDivinal disse...

o que poderia ser só mais uma mensagem eu digo que é A mensagem.

NARNIA disse...

E quando vamos para além do limite?

impulsos disse...

Obrigada Brian!
Sabes que comecei por usar essa palavra, mas depois...
Realmente fica muito melhor!

Bjo num impulso

sonhadora disse...

Canto porque o amor apetece e nem sempre acontece.
Beijinhos embrulhados em abraços.

Luciana disse...

Sempre temos de nos questionar, porque nunca estamos satisfeitos com aquilo que somos supostamente capazes de fazer. Ainda bem que assim é senão habituavamo-nos ao comodismo e isso não é nada bom.
Se saberemos quando atingimos o limite, penso que saberemos por um motivo ou outro.

Beijinhos

Anónimo disse...

Os limites lembram-se sempre estas linhas do Pessoa

Sentir é criar.
Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender,
visto que o Universo não tem ideias.
- Mas o que é sentir?
Ter opiniões é não sentir.
Todas as nossas opiniões são dos outros.
Pensar é querer transmitir aos outros aquilo que se julga que se sente.
Só o que se pensa é que se pode comunicar aos outros.
O que se sente não se pode comunicar.
Só se pode comunicar o valor do que se sente.
Só se pode fazer sentir o que se sente.
Não que o leitor sinta a pena comum [?].
Basta que sinta da mesma maneira.
O sentimento abre as portas da prisão com que o pensamento fecha a alma.
" A lucidez só deve chegar ao limiar da alma.
Nas próprias antecâmaras é proibido ser explícito.
Sentir é compreender.
Pensar é errar.
Compreender o que outra pessoa pensa é discordar dela.
Compreender o que outra pessoa sente é ser ela.
Ser outra pessoa é de uma grande utilidade metafísica.
Deus é toda a gente.
"Ver, ouvir, cheirar, gostar, palpar - são os únicos mandamentos da lei de Deus.
Os sentidos são divinos porque são a nossa relação com o Universo,
e a nossa relação com o Universo Deus.
(...) Agir é descrer.
Pensar é errar.
Só sentir é crença e verdade.
Nada existe fora das nossas sensações.
Por isso agir é trair o nosso pensamento.
(...) Não há critério da verdade senão não concordar consigo próprio.
O universo não concorda consigo próprio, porque passa.
A vida não concorda consigo própria, porque morre.
O paradoxo é a fórmula típica da Natureza.
Por isso toda a verdade tem uma forma [?] paradoxal.
(...) Afirmar é enganar-se na porta.
Pensar é limitar.
Raciocinar é excluir.
Há muito que é bom pensar, porque há muito que é bom limitar e excluir.
(...) Substitui-te sempre a ti próprio.
Tu não és bastante para ti.
Sê sempre imprevenido [?] por ti próprio.
Acontece-te perante ti próprio.
Que as tuas sensações sejam meros acasos, aventuras que te acontecem.
Deves ser um universo sem leis para poderes ser superior.
São estes os princípios essenciais do sensacionismo.
(...) Faze de tua alma uma metafísica, uma ética e uma estética.
Substitui-te a Deus indecorosamente.
É a única atitude realmente religiosa.
Mtmorfose

Rosa Maria disse...

Tb nunca consegui definir qual era o limite, fosse do que fosse...Tb nem sei se quero descobrir, felicito-me sempre que consigo dar um passo mais adiante!
Gostei das tuas palavras:)

Crystal disse...

Olá.

Não pude deixar de sorrir ao acabar de ler-te...Fazes as perguntas,sim, mas sabes as respostas.Eu aposto que nunca encontrarás o limite apenas porque a vida em si te pede sempre mais.E só assim tudo faz sentido.

Gostei:)

sonhadora disse...

abraço o meu sonho noite dentro.
beijinhos embrulhados em abraços

sonhadora disse...

abraço o meu sonho noite dentro.
beijinhos embrulhados em abraços

B. disse...

Dificilmente chegarás ao teu limite seja em que fôr! Conseguimos sempre ir mais longe.

Eu tento sempre ultrapassar aquilo que penso ser o meu limite... :)

beijo

Estranha pessoa esta disse...

É como na Matemática...
Um limite pode tender para zero, para um, para infinito....
Seja qual for a 'tendência', que seja a TUA tendência.
O teu sentir.
E que esse seja completamente ilimitado!
;)

Abraço desassossegado sem limites para ti ***

alem do horizonte disse...

Interessante este questionar acerca do limite - no que o motiva, onde nos pode conduzir... Se convém superá-lo ou não!!

Há limites que entendemos não poder ou dever ultrapassar.
Esse será um dos lados da questão.

Depois teremos outros limites /metas - essas sim, onde devemos superar-nos e por vezes nos surpreendemos porque o conseguimos.
Quando isso não acontecer...
A novos limites nos renovaremos, neste caminhar pela Vida.

O Ser Humano pode chegar muito mais longe do que muitas vezes imagina...

Beijos