quarta-feira, janeiro 30, 2008

No fundo de mim


No fundo de mim,
Mora um outro eu.

Um eu,
Que não sendo eu,
É por vezes muito mais eu,
Que eu próprio.

É um eu escuro,
Negro e absorvente,
Que continuamente,
Me chama me apela,
Me puxa e empurra,
Me apanha e arrepanha,
Leva-me ao fundo de mim,
E envolvendo-me com as suas negras raízes,
Toma-me todo o ser,
Os quereres e as vontades,
Os saberes e as verdades.

Mas um dia...
Um dia eu ganho-lhe!

É uma sombra,
É um monstro,
Uma besta,
Com quem luto diariamente.
Tentando manter-me afastado,
Tentando manter-me à tona,
Numa luta diária, constante,
Absorvente, desgastante,
Que me levando o tudo,
Me cobre com o seu manto,
Deixando-me assim,
Absorto,
E fora de mim.

Mas um dia...
Um dia eu ganho-lhe!

Ele está sempre lá,
À espreita,
Procurando do lado de cá,
Por uma simples fresta estreita,
Que lhe permita entrar,
As minhas vontades tomar,
Contra o interior de mim me atirar,
E uma vez mais no chão,
Desleixadamente,
Me prostrar!

Mas um dia...
Um dia eu ganho-lhe!
Um dia eu venço!
E prevalecerá apenas aquilo,
Aquilo que eu quero,
Aquilo que eu penso!

Um dia,
Que será só meu!

Um dia,
Que contarei apenas eu!

Um dia,
Que longe não estará,
O olharei nos olhos,
E lhe poderei dizer que já,
Na minha morada não morará mais,
Nem nos anexos,
Ou nos quintais,

E sem complexos,
Com força nos meus reflexos,
Do fundo de mim o arrancarei,
Com todo o meu querer o farei,
Com o desejo pelo momento em que finalmente,
A uma qualquer altura de repente,
Não tenha que com ele encarar,
E para o fundo novamente resvalar.

Um dia...
Um dia sem dúvida eu ganho-lhe!


E esse dia não está longe…
Não, não está nem pode estar,
Porque nesta angústia não posso continuar,
Com este sufoco tenho de acabar,
Isto tem de TERMINAR!

Por isso Monstro,
Vem! Aparece!
Mostra-te para que enfim,
Eu possa tudo acabar,
Este sofrimento terminar,
E para sempre te encerrar,
Nas masmorras de mim.

Um dia… é hoje!
Hoje é o dia,
Em que tu morres para mim,
E eu...
...eu Morro em ti!


(em memória do meu primo Vitor, que cometeu ontem o derradeiro acto de libertação, do suicídio)

20 comentários:

Azul disse...

My Dear Brain!

Não são muitas as palavras que possamos/consigamos dizer nestes momentos.

Assim, digo apenas que para muitos é um acto de cobardia. Para mim é um dos maiores, senão mesmo o maior acto de CORAGEM de um ser humano.

Lamento a tua perda.
Deixo-te um abraço.
Azul

Maria José disse...

O Eu fica pequenino e saturado de tudo... incapaz de dizer olá ou confortar na escuridão.

E fico aqui eu de palavras afogadas em questões.

Estranha pessoa esta disse...

........





......







......................


Um sorriso meu colado a um abraço para ti **

Anónimo disse...

Complicado...lamento.
Fica bem.

Sha disse...

Dedico-te o meu silêncio, acompanhado de um enorme e apertado xi-coração, num profundo respeito e solidariedade pela dor e pela perda.

Sha

LNeves disse...

Eu cada um de nós, e no mais profundo de nós, mora sempre um outro "eu"! Mando-te, ontem, hoje e amanha um beijo enorme cheio de força, e um abraço apertado de aconchego!

***MUAH MT FOFO***

Putty Cat disse...

Muitas vezes...
Tantas vezes...

O Monstro adormecido em nós acorda, e com ele trás todas as tormentas da alma e do corpo.
Eu sei.
Eu conheço-o.
Eu sinto-o e sei-o, por "aqui".

Tal como sinto, sei e conheço todas estas tuas palavras, por dentro e por fora.

Para ti, deixo-te o meu beijo.

suruka disse...

Á BOLEIA DA " sha "
CHEGUEI AQUI.

TENS UM BLOG FIXE.
VOLTAREI.
ABRAÇO

Twlwyth disse...

Um dia
Tudo muda
Para Sempre
Fica o silêncio de pedra
Morre mais um bocadinho de nós
Com um acto extremo difícil de aceitar

Um abraço sentido

Branca disse...

Libertação, doce Brain?!

Não no caso dele que não o conheço, mas de alguém que atravessou o meu caminho estes dias, como é que alguém se liberta com um bebé de 6 meses na barriga atirando-se de um prédio e matando para além de si uma criança?!
Como?!

Não compreendo...

Mil desculpas pela burrice,
mas, se um dia mo podesses explicar agradecia...

Para ti e todos que lhe eram queridos, nesta altura, deixo apenas um abraço apertado, sempre me faltam as palavras...

(...)

as velas ardem ate ao fim disse...

Fiquei peqenina.Arrepiada.

Deixo um bjinho e um abraço bem apertadinho.

Manuela disse...

Nesta vida que se leva há montes de coisas sem explicação...
O suícidio é uma acto que me deixa sem palavras...
Deixo-te aqui um abraço apertado de carinho.

gasolina disse...

Há vezes em que a pele já não sustém mais do que um; no imo, transborda, come, devora, devora-se.

Sei do que falas, sei o que sentes, sei o que vivi.

Não procures razões ou explicações: isso seríam devaneios.

Apenas te deixo um beijo.
E a minha mão.

P-S disse...

Como nao sei o que te possa dizer, deixo-te apenas um abraço...

As Sombras de Fim do Dia disse...

sem palavras, sem comentários.

Telma disse...

Fiquei arrepiada! Eu própria já tive este acto muitas vezes em mente há uns anos atrás, hoje fico grata por nunca o ter levado em diante, mas compreendo que haja pessoas que não conseguem encontrar uma luz no fundo do poço, portanto, a essas pessoas...

Paz às suas almas!

Beijo sentido

MªJosé M. disse...

Olá Brian,
...
Vou escrever um pouco.

Quando li este teu poema pela primeira vez,confesso que fiquei sem palavras possiveis.

Nesse instante o tentar entender um acto de negação da Vida que se torna para algumas pessoas a derradeira e última saída.

Não há como julgar porque não temos esse direito.

Fica a dor, a saudade, nos que ficam.

Seja cada um destes casos e tantos outros, em situação de limite, capazes de nos fazer entender que todos precisamos sempre uns dos outros e as vezes não sabemos "gritar" ou chamar...

Calamos ( à espera que alguém perceba, que nos encontre e dê uma mão, um ombro - esperança de vida...)

Perdoa estas palavras um pouco dispersas.

(Por vezes não se consegue ganhar à dor e ao sofrimento...
Que por sua memória, encontre o entendimento de todos que o Amam e guardam para sempre.)

Um Beijo,
Mª Jose

Carol Barcellos disse...

Desconheço as razões que o levaram a querer se "libertar" desta forma. De qualquer forma, agora ele está dormindo, descansando, enquanto vc e a família, os que estão vivos, sofrem com a ausência dele. Meus pêsames... Desejo a ti e à tua família forças para lidar com a ausência dele. Deixem as lágrimas rolar o quanto quiserem. E deixe-o sempre vivo em tuas memórias...

Beijos doces cristalizados!!!

Dark-me disse...

A dor da saudade não terá igual e será uma dor eterna. No entanto, para quem parte é bem mais fácil. Ficará bem melhor que nós!

Dark kiss

Ana disse...

Brain...

Não querendo ofender a tua dor, que respeito imenso. Digo-te apenas que compreendo o que dizes e sinto as tuas palavras na pele. No entanto, para mim, o suicídio é um acto de cobardia, de quem desiste de viver sem lutar.