quinta-feira, abril 09, 2009

Em ContraMão


...e de repente surge o desvio.
...e de repente, o entroncamento, a bifurcação, o escuro, um encandeamento de luzes e quando damos por nós, estamos em contramão.

O sentido proibido já ficou lá atrás, mas nós continuamos.
Porque há um gozo. Um gozo intrínseco. Um inexplicável gozo, que faz correcto o incorrecto, que nos faz pulsar as veias, que nos dá um (novo) (in)sentido de vida.

E por isso, prosseguimos.

E não são os sinais dos outros, que aflitos nos tentam fazer ver o (in)correcto.
E não são os sinais que só vemos pelas costas, ou sequer as setas na estrada que apontam para nós.
E não é o avançar dos outros num sentido oposto ao nosso.

Somos nós!
Somos nós que empurramos o mundo para (trás) a frente, numa vontade própria e única, que reforça essa capacidade a cada kilómetro, a cada metro, a cada centímetro percorridos.
Somos nós!

E o mundo não é que está correcto.
Somos nós!

E as convenções... de repente mudam.

E de repente, olhamos o retrovisor e vemos que estamos a ser seguidos.
E já não é pela autoridade repreendedora; mas por outros.
Tantos outros iguais a nós, que entretanto inverteram também a marcha e que seguindo-nos de perto, fazem-nos líderes de um movimento que é apenas nosso. Que não quisemos partilhar sequer, mas que agora foi também apessoado por terceiros.

Não somos líderes mas lideramos.
Não os outros.
Mas a nós próprios.
Cada um líder de si mesmo, na força que o intento lhe confere.
No pulsar das veias.
No querer.

E no caminho crescemos.
E no caminho fazemo-nos. MAIORES.

E de repente… o caminho é o nosso.
E de repente… já não há ninguém em contramão da nossa marcha.
E de repente… o mundo.
E de repente… nós.

Paramos.
Chegamos ao nosso (desconhecido) destino.
Estamos parados na faixa contrária.
Estamos virados no sentido oposto.
Mas CHEGAMOS!

E saímos.
E batemos a porta com o orgulho do sentimento do dever cumprido.
Enchemos o peito e respiramos fundo, sabendo que a nossa satisfação reside no facto, não de termos percorrido todo o caminho, mas sim, de o termos feito NOSSO!

Fizemos o caminho à nossa imagem. Ao nosso pulsar.
De trás para a frente ou da frente para trás?
Não sabemos.

Mas também…
…não interessa!

É NOSSO!

10 comentários:

Nuno de Sousa disse...

Mais um excelente trabalho, belo texto mto bem escrito como já é habitual por estes lados.
Um grande abraço e uma Páscoa feliz por esses lados,
Nuno de Sousa

Putty Cat disse...

EU própria já andei em contra-mão.


And guess what...?


Fantástico texto. Como sempre...


Aquele beijo sincronizado

susaninha disse...

Sempre que aqui venho encanto-me com os teus textos.

Muito bem, até mais logo.

Que um anjo te ilumine

Abraço

Som do Silêncio disse...

Já dei por mim a andar em contra-mão!!!
Outras vezes nem me apercebo que o faço, e deixo andar :)

Bjs, e grande post, como sempre!!

Som

Anónimo disse...

Ola Brain ,
Sinto que a minha vida Tem sido SEMPRE em contra-mao ... mas também é como dizes , nao sei se esta certo ou errado , sei que tenho feito o caminho SEMPRE à minha maneira !!!

É um risco , mas no fim ... no fim só posso questionar o sentido que escolhi seguir !...

Menos Mal ...

Abraço , Anibal Borges .

Sms - artes e ideias disse...

Excelente!

Susn F. disse...

Sem outros sentidos, digo-te que a única vez que andei aí uns 3 metros em contra-mão numa rua muito pouco movimentada, apanhei logo uma multa! Estava distraída... não vi o sinal. Os sentidos do teu texto são bem mais profundos e dignos de reflexão.

Beijo e fica bem. :)

nuvem disse...

É tão difícil encontrar os sentidos certos... Gostei muito do texto.

Beijos :)

Lena disse...

"α νι∂α é υмα ρєçα ∂є тєαтяσ qυє иãσ ρєямιтє єиѕαισѕ...
ρσя ιѕѕσ, ¢αитє, яια, ∂αи¢є, νινα ιитєиѕαмєитє ¢α∂α мσмєитσ ∂є ѕυα νι∂α, αитєѕ qυє α ¢σятιиα ѕє fє¢нє є α ρєçα тєямιиє ѕєм αρℓαυѕσѕ..."


Beijooooo*

Branca disse...

Olá :)
Passei por cá para dizer um Oi e divagar um pouquito pelas tuas palavras...
Já não me lembro de quando foi a última vez que cá estive...
Enfim!
Também ando um pouco afastada...

Mas, virando-me para as tuas palavras...
Em contra-mão! quantas vezes! tantas!
É bem verdade o que escreveste...
Gostei bastante!

Beijinhos :)