terça-feira, fevereiro 09, 2010

minha palavra Saudade


Gostava de te conseguir mostrar,
A real dimensão da minha palavra saudade.

O tempo que ela encerra
para lá do que leva a proferir as suas três sílabas
mesmo que em todas elas se espacem pausas.

Os sentires que ela contém
muito além das suas sete letras
por entre todos os espaços que nelas se aninham.

Gostava de te conseguir mostrar,
A real dimensão da minha palavra saudade.

O quanto do encher do peito, só por te pensar,
O quanto do calor do arrepio, só por (não) te saber,
O quanto da dor do silêncio, pela tua não presença…

O teu prato (sempre) vazio e inerte na mesa,
Os grãos de pó que não se levantam por ti,
O soalho que não range pela força da tua passagem.

Gostava de te conseguir mostrar,
A real dimensão da minha palavra saudade.

Este acelerar
nesta calmaria doente,

Este estagnar
nesta correria demente,

Esta alegria
nesta tristeza premente,

Este simples q u e r e r
do teu sorriso…
…à minha frente.

Gostava de te conseguir mostrar,
A real dimensão da minha palavra saudade.

Mas não consigo.

6 comentários:

Putty Cat disse...

Acho que conseguimos todos ficar com uma breve ideia, depois de te ler!


Beijo meu
putty

CLÁUDIA disse...

E, no entanto, essa dimensão está toda aqui, nas palavras que escolheste e nos espaços vazios que as separam também...

Saudade, que palavra essa!

Beijo. ***

Se7e/5 disse...

"Mãe de um feto violado, afirma sua inocência e prova que a agulha de tricô indiciada como arma do crime não correspondia ao número da embalagem. Abortilda Semedo, afirmou que vai processar a fábrica de agulhas pelo incidente que está provocando todos os problemas vividos actualmente com a justiça e opinião pública. Numa primeira justificação, ainda a quente, logo após o parto, a alegada violadora, confessou que tudo aconteceu quando estava tricotando uma camisolinha de seda para o seu pequenino rottweiler de 2 aninhos, já que ela costumava trabalhar nuinha e com as pernas bem abertas, só que nessa vez, incompreensivelmente, uma das agulhas escapou para dentro da vagina. “Eu achei muito estranho, mas não liguei e se não fosse um cliente a queixar-se que tinha sido mordido..."
O restinho? nã, nã... só no Se7e!

Paula disse...

Saudade...sempre difícil de explicar...

Abraço

Nefertiti disse...

"Saudade é solidão acompanhada"
Pablo Neruda


que sentimento terrível esse =/
beijinho

nuvem disse...

Eu acho que conseguiste! E descrever a saudade é quase um acto suicida, diria eu que sofro desses instintos, como bem sabes.... :) Muito bonito.

Beijinhos