quarta-feira, agosto 05, 2009

Quebraste-me as Palavras


Quebraste-me as palavras
E os monossílabos não conseguem exprimir o que sinto.
É um complemento que falta,
Uma metade de mim, num todo em que me minto.

Quebraste-me as palavras
E nas metades eu não me encaixo,
São apenas partes de mim,
Não me elevam, arrastam-me, baixo.

Quebraste-me as palavras
Deixaste-me incompleto,
E agora em nada me encontro,
Sempre distante, num sempre, sempre perto.

Quebraste-me as palavras
E eu não tenho mais como te dizer,
Que não foi só pelas palavras,
Mas por todos os gestos, que ficaram por fazer.

Quebraste-me as palavras
E agora eu...
...não sei se as consigo de novo...
...juntar!


5 comentários:

nuvem disse...

Pois eu deixo-te palavras inteiras, sólidas e sinceras, para te dizer que mesmo que um dia não consigas juntar as palavras, nunca deixes de acarinhar os seus pedaços dentro de ti... Mais tarde ou mais cedo, farão parte do todo que és.

Beijos

pin gente disse...

amanhã as palavras voltarão a sair-te... pela ponta dos dedos.
um beijo

Donagata disse...

As tuas palavras "quebradas" são tão inteiras quanto as palavras podem ser. Porque tu és assim, inteiro, completo, com as palavras todas, com todas as letras, bem soletradas, embora as quebres de onde em onde.

Um beijo.
Curiosa a palavra de verificção: rumor...

Maria José disse...

Estou de volta...

Papoila disse...

Mesmo quebradas as tuas palavras fazem muito sentido.

BF