terça-feira, novembro 28, 2006

Excerto

Porque o amor, não é aquilo que cada um de nós deseja. O amor, é o tudo e o nada, sendo que o tudo é feito de pequenos nadas e que um nada pode ser tudo. Tudo contribuiu para que o nosso amor crescesse e se desenvolvesse. Todos os olhares, todos os toques, todas as palavras, todos os pequenos beijos e todos os abraços, porque quando nada se espera o que se obtém é tudo, mas quando tudo se quer, nada é suficiente. E nós fomos com o tempo, sabendo apreciar todos os pequenos nadas e com isso… tivemos tudo!

...

E com isto eu apercebo-me do quão exigente pode ser o amor. Como dando sempre tanto a todo o momento, estamos sempre em falta, porque nunca é possível darmos tudo. Agora vejo que num amor, numa vida a dois, o verdadeiramente importante é a sintonia entre o esperado e o oferecido. Apenas com essa sintonia, estamos permanentemente satisfeitos, porque obtemos aquilo que pretendemos e damos aquilo que o outro espera, ainda que isso sejam apenas pequenos nadas. Pequenos nadas de sorrisos, de palavras e simples atenções feitos, mas que nos enchem o coração e a alma de uma tal forma plena, que nos leva à satisfação connosco e por consequência com os outros. Quando felizes com nós próprios, a felicidade irradia-nos dos olhos, transpira no sorriso, liberta-se no ar com os nossos gestos, espalhando-se à nossa volta contagiando os outros que connosco se cruzam.

7 comentários:

Brain disse...

A todos,

Um pequeno excerto de algo que (espero) estou a terminar.

Uma pequena partilha com todos, que gostam de ler o que escrevo.

Beijo a todas, abraço a todos,
Uma BOA semana!

Putty Cat disse...

Sem palavras!
;)

Flôr disse...

Numa palestra de vida onde tu fosses o orador,recusaria-me a sair.
Porque ouvindo-te,acompanhando-te nas letras e se possível colar essse SER GRANDIOSO e simples que és....embebias-me na melhor das melodias de amor.One o coração bateria fortemente e uma paixão escondida ia saltar.
Porque ver-te bem,contagia!Porque tu és estrela à luz das letras e aos olhos de quem te lê.
Parabéns!

Kitty disse...

"...porque quando nada se espera o que se obtém é tudo, mas quando tudo se quer, nada é suficiente. E nós fomos com o tempo, sabendo apreciar todos os pequenos nadas e com isso… tivemos tudo!"

Nunca se tem tudo numa relação. O Amor não é perfeito, embora quando se ama se procure a perfeição. O Amor é a constante "construção", de algo que se pretende ser perfeito.

As relações vão evoluindo, vão sendo alteradas à medida que as partes crescem, mudam, vivem situações diferentes. A perfeição será algo dificil de atingir, mas a harmonia de pensamentos e sentimentos, essa deverá existir sempre, e assim o amor cresce, amadurece e resiste a tudo.

Brain
O excerto está fantástico, mas soube a pouco...

Beijos

Brain disse...

Kitty,

Só para te "demonstrar" o quão de acordo eu estou contigo, transcrevo-te um outro excerto da mesma "obra".

"...
Com isto, cresce ainda mais a minha convicção de que a nossa vida, a nossa realidade, é principalmente construída por nós e pelos nossos actos. E sendo assim, devemos perseguir o objectivo de sermos eternamente namorados, continuamente à descoberta um do outro; porque o tempo muda-nos, porque a vida molda-nos e nós não somos por isso imutáveis, não somos os mesmos sempre, nem para sempre. A descoberta contínua de um pelo outro, é talvez um dos alimentos mais importantes de uma relação. E depois há a dedicação, a quase devoção que um deve nutrir pelo outro, para que se façam sentir mutuamente e pelo sentido de retorno, merecedores do mais que o outro possa disponibilizar."

Kitty disse...

Excelente

Estamos em sintonia...

beijos

Andarilhus disse...

Perfilho a ideia do namoro contínuo numa relação em que o equílibrio assenta no amor.
O namoro propaga a paixão no tempo e mantêm a chispa que desencadeia a nobre "fragilidade" que nos permite "dar-nos" sem limites ou receios a uma outra pessoa... é uma doce rendição, é um deixar cair as armaduras e o arrumar das armas que usamos para sobrevivermos na disputa social diária... é encontrarmos um santuário onde purificamos e reencontramos a nossa verdadeira essência... sem máscaras.
Bem capturado o Grande sentimento humano, Brain... termina-o sem precipitações. É algo que exige muita ponderação sobre o sentir...
Abraço e um bom dia para todos.
"(ºoº)"